ARTIGO

Aniversário de 40 anos do Conjunto Santos Dumont

  • Quinta, 06 de agosto de 2020 às 23h59 (Atualização: 17/11/2020 15h05)
  • Denis Thaumaturgo
Manual do proprietário no início dos anos 80
Manual do proprietário no início dos anos 80

Nesse dia 06 de agosto de 2020 o Conjunto Santos Dumont completa 40 anos!

No ano de 1979 foi constituída pelo Instituto de Orientação às Cooperativas Habitacionais no Estado do Amazonas (INOCOOP-AM), uma cooperativa intitulada Parque das Seringueiras, na época o INOCOOP-AM, cuja diretoria contava com os membros Walter de Oliveira Bastos e Frank Lima.

Naquela época o Governo Federal tinha verba para os sindicatos, e foi daí então que surgiu o Parque das Seringueiras, ideia do Sr. Frank Lima, que também sugeria um conjunto criado exclusivamente para aviadores. É por esta razão que todas as ruas do conjunto são nomes de pilotos que já faleceram. Porém, o conjunto não atingiu a quantidade de aviadores suficiente para completar as unidades habitacionais, então o conjunto foi aberto ao público, já com um novo nome.

No dia 06 de agosto de 1980, foi entregue o conjunto Santos Dumont, que já contava com uma Associação de Moradores que foi instituída no dia 15 de março de 1980. Quando o conjunto foi entregue, não existia linha telefônica nem transporte coletivo e o abastecimento de água e energia elétrica eram precários, em função das dificuldades locais no início, o conjunto e seus moradores deram vida ao comércio na Av. Torquato Tapajós, que até então não era movimentado.

Abastecimento de Água

Até existia uma caixa d’água, mas que não funcionava como deveria. Portanto foi instalada uma bomba d´água próxima ao IMPAS, que inclusive nos dias atuais serve exclusivamente para o prédio do município.

Transporte Coletivo

Neste ano o conjunto também não contava com transporte coletivo, havia apenas uma linha de ônibus que passava na Av. Torquato Tapajós, que pela parte da manhã passava na avenida rumo a Ponte da Bolívia, voltando apenas ao meio dia, tendo a segunda e última viagem do dia partindo para o mesmo destino às 14h, com retorno às 16h.

No mesmo ano de 1980, aconteceu uma reunião com o Prefeito sobre o transporte, mas nenhuma empresa se dispôs a colocar uma linha no conjunto, até que o empresário Arão Ohana assumiu o que na época seria um risco de ter um prejuízo, colocando uma linha do conjunto para o Centro de Manaus. Uma linha trafegava via Av. Recife (atualmente conhecida como Av. Mário Ipiranga) e outra pela Av. Constantino Nery. A viagem inaugural aconteceu no dia 30 de outubro de 1980 às 6h da manhã, enquanto o segundo ônibus partiu às 7h e então saia um ônibus do conjunto a cada três horas, esta conquista foi razão de grande alegria para os moradores do conjunto.

Serviço Telefônico

No início também não havia telefone, desta zona da cidade somente o Aeroporto Eduardo Gomes contava com linhas telefônicas. Então o Senador Raimundo Parente trouxe até o conjunto o Ministro das Comunicações Conde de Oliveira, para que o mesmo pudesse chegar à conclusão de que seria benéfico o investimento da telefonia na Av. Torquato Tapajós, que também contemplaria o conjunto. Satisfeito com o que viu, o Ministro então autorizou no dia 15 de novembro de 1980 a instalação e no dia 01 de janeiro de 1981 foi efetuado o primeiro telefonema da casa do Presidente da Associação de Moradores da época, Sr. Flávio Grillo, para o ministro que estava em Brasília. Desde então a Av. Torquato Tapajós passou a contar com várias linhas, que também logo seguiram sendo instaladas no bairro Cidade Nova, que também estava carente do serviço.

Paróquia de São Marcos

A igreja começou a ser construída antes da inauguração do conjunto, e deve-se muito ao Deputado Federal Ézio Ferreira, que pessoalmente fez inúmeras doações de tijolo e cimento. Tanto é que quando a igreja foi inaugurada, o desejo da comunidade era que o Deputado fosse homenageado, mas a arquidiocese foi contra. Naquela época o Bispo não autorizava a igreja ser oficial, até que foi enviado um documento para Curia, onde um documento Associação de Moradores doaria oficialmente o terreno onde a igreja até os dias de hoje está situada, para que a partir daí a igreja pudesse se tornar oficial.

Abandono de residências

Em função da inflação no início dos anos 80, diversos moradores abandonaram suas casas por não terem mais condições de pagarem o financiamento. Com isso o conjunto foi quase invadido por pessoas que não tinham nada a ver com a finalidade para qual o conjunto foi criado. A diretoria da Associação de Moradores teve papel fundamental em acionar o Ministério Público, INOCOOP-AM e o Banco Nacional de Habitação (BNH), pois pouco tempo antes o conjunto Eldorado havia passado por uma situação similar e a Associação não permitiu que o conjunto passasse pela mesma experiência. Então o INOCOOP-AM retomou as residências abandonadas e as revendeu.

Associação de Moradores ganhando corpo

Em meados de março de 1981 a cooperativa passou para Associação de Moradores do Conjunto Santos Dumont a autonomia real sobre o conjunto. Na aprovação do estatuto participaram a diretoria da Associação, a igreja, o Senador Raimundo Parente, o Deputado Ézio Ferreira, o Vereador Sabá Reis e os senhores Frank Lima e Raimundo, da INOCOOP-AM.

Complexo Esportivo

Começou com um campo de futebol que foi feito em uma área onde só havia capim e muitos buritizeiros. Foi feito um chapéu de palha, conforme sugere a nossa região, por sinal muito bonito. Porém as pessoas que foram proibidas de invadir o conjunto tacaram fogo e logo após esse incidente, o chapéu foi reconstruído com zinco. O espaço sagrado para prática de esportes ganhou cara de “complexo esportivo” em 2005, quando o Deputado Estadual Lino Chíxaro intercedeu junto ao Prefeito Serafim Correia a execução de um projeto desportivo que já existia para aquela área. Então a pedidos do Prefeito, o Secretário de Obras daquela época, Sr. Porfílio, fez a visita para analisar a área e orçou a obra. Em 2004 começou todo o trâmite para a construção do complexo, era a realização de um sonho do Sr. Francisco Sales, ministro da igreja, que muito lutou para que o conjunto tivesse um espaço reservado e organizado para o esporte, mas infelizmente o mesmo faleceu e não prestigiou as atividades sendo realizadas. Em 2005 foi concluído e inaugurado, o nome do campo foi uma homenagem ao Sr. Francisco Sales.

Criminalidade

O conjunto passou uma fase terrível de assaltos, praticamente toda semana havia uma família sendo feita de refém em suas próprias residências, os bandidos estavam abordando os moradores ao chegarem em suas casas, adentrando com os mesmos, trancando e amarrando as famílias para subtraírem todos os pertences de valor e levarem inclusive no próprio veículo da vitima, em função disso o presidente da Associação de Moradores Denis Thaumaturgo procurou o Deputado Estadual Josué Neto, que promoveu algumas reuniões de segurança no conjunto, onde se fizeram presentes delegados, comandantes da zona e inclusive o Secretário de Segurança, Coronel Paulo Vital e o Comandante Geral da Polícia Militar, Coronel Almir David. Uma das reuniões que contou com a presença do Coronel Amadeu Soares, Coordenador Geral do projeto do Governador Omar, Ronda nos Bairros. Naquela reunião o mesmo informou que o projeto só iria para Zona Centro-Oeste no final do ano, mas com a insistência dos líderes comunitários o projeto foi instalado antes, o quartel estava sendo construído no conjunto Hiléia, então o presidente Denis cedeu à sede da Associação de Moradores para que a Polícia Militar se instalasse no local. A Associação fez uma reforma no local para receber a polícia, que serviu por muito tempo como base para 17ª CICOM e os assaltos no conjunto se tornaram raros na época.

Banda de Carnaval

A Banda do Santos Dumont já é tradicional na cidade, a mesma vem desde 1997 embalando o carnaval no conjunto, sempre inovando e cada vez com um número maior de foliões. Administrada pela Associação de Moradores do conjunto, no princípio chamava-se “Banda do Formiguinha”, apelido carinhoso dado ao Seu Almir, proprietário de um badalado comércio onde os amigos encontravam-se para jogar dominó, tomar cerveja e trocar ideias.

Desde quando ainda era uma simples brincadeira, a banda sempre caminhou junto com as obrigatoriedades administrativas, com autorizações da Prefeitura Municipal e apoio da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, sendo assim um evento seguro, tratado com bastante responsabilidade, visando proporcionar aos participantes um entretenimento para ninguém botar defeito.

Em função da seriedade e segurança, a Associação de Moradores ficou muito honrada quando em 2007 a Prefeitura Municipal fez uma triagem de 268 bandas, onde 40 bandas foram selecionadas e a “Banda do Santos Dumont” foi uma das escolhidas, passando assim a fazer parte oficialmente do calendário do carnaval de rua de Manaus.

Índios Sateré-Mawé

Na última rua do conjunto, denominada Comandante Noberto Von Gal, existe uma comunidade indígena que é a Waikirú, do povo Sateré Mawé. A grande maioria destes indígenas vieram do alto rio Negro e alguns do alto Solimões. A cerca de duas décadas atrás, os moradores não receberam muito bem estes indígenas que buscavam habitar aquela região do conjunto e foram registrados inclusive alguns confrontos, o que tornou necessário a presença da polícia e da FUNAI para manter a ordem. Os indígenas já haviam sido expulsos de outros bairros, principalmente por sofrerem preconceito, mas conseguiram se manter no conjunto e residem até os dias de hoje mais de 100 indígenas.

No dia 19 de junho de 2008 o indígena Ageu da Silva Vilácio fez o seguinte depoimento: “A nossa comunidade já vem de muito tempo, desde 1990. Minhas tias foram as primeiras que lutaram por essa área onde estamos. Enfrentamos muitas dificuldades para ficar nessa área, onde foi envolvido o Ministério Público, a SEDEMA, a URBAM, a FUNAI. Diante disso, o pessoal do conjunto Santos Dumont não queria que nós ficássemos na área, achavam que íamos fazer favela, roubar. Através do diálogo com esses órgãos, ouvindo que nós queríamos um local para trabalhar e fazer nosso artesanato e manter nossa cultura dentro de Manaus, concordaram e deixaram os Sateré-Mawé nesse local, pediram para não desmatar e não degradar a área. Fizemos, até hoje preservamos. Hoje a comunidade cresceu muito.”

A partir do mandato de Denis Thaumaturgo Siqueira como presidente do Conjunto Santos Dumont, o relacionamento tornou-se possível, e hoje os indígenas utilizam o campo de futebol para prática esportiva e até recebem visitas do presidente na comunidade.

Praça de Caminhada

A praça situada próxima ao complexo esportivo é conhecida por “praça de caminhada”, diariamente centenas de pessoas passam fazendo seus exercícios de corrida e caminhada, e crianças acompanhadas de seus pais e responsáveis brincam no playground, apesar de o mesmo já se encontrar em estado precário.

Ainda nos anos 90, o local onde agora existe a praça era só floresta, um espaço de mais de 6.000 m² onde o desejo dos moradores era que se tornasse uma área de lazer. Curiosamente habitavam inúmeros jacarés, visto que no meio da praça atravessa um córrego, inclusive durante a construção da quadra, um operário foi atacado por um deles e socorrido na casa do Sr. Manoel Oliveira e sua esposa carinhosamente conhecida por “Chaguinha”. Os moradores fizeram o pedido ao presidente da Associação de Moradores da época, Sr. Valdenor Figueiredo que encaminhou o pedido ao prefeito da época, Sr. Alfredo Nascimento, um projeto foi realizado e na sequencia a praça começou a ser construída.

Iluminação da praça

Tempos depois vieram o primeiro sistema de iluminação do tipo pétalas, que não era tão eficaz, pois ficavam acima da copa das árvores, fazendo sombra embaixo, causando escuridão em algumas áreas. Os brinquedos que haviam na praça situada na primeira rua do conjunto, Comandante Nathanael Albuquerque, foram trazidos para a praça de caminhada, além de brinquedos doados por moradores, que contaram com a ajuda do morador Sr. Geraldo Soares.

Em 2011 o Sr. Denis Thaumaturgo Siqueira, na época como presidente da Associação de Moradores, procurou o Secretário Municipal de Esportes, Fabrício Lima e questionou sobre a possibilidade de o conjunto contar com um professor de Educação Física para dar orientações de caminhada e foi muito bem recebido pelo secretário, que naquele mesmo instante aprovou a ideia e passou a designar o professor Marco Sahdo, para se fazer presente no conjunto pelo período da manhã e final da tarde, o professor realiza atividades tais como: Aquecimento, alongamento e fica a disposição para dar qualquer orientação referente à forma de caminhar, como por exemplo: calçados, limite de cada pessoa, postura, hidratação, etc.

Passou-se o tempo e o Secretário Municipal de Esporte e Lazer, Fabrício Lima, saiu da secretaria para dar inicio a sua reeleição como vereador, então o presidente Denis foi procura-lo na Câmara Municipal de Manaus para obter orientações sobre como melhorar a iluminação da praça, nesta reunião o Sr. Denis mostrou para o Vereador Fabrício uma foto que havia tirado da praça do Conjunto Tiradentes, Zona Leste de Manaus. Naquele mesmo instante o vereador Fabrício telefonou para o Subsecretário de Infraestrutura, Dr. Oswaldo e perguntou se ele poderia receber o representante do conjunto, Sr. Denis. O Dr. Oswaldo pediu para que o Sr. Denis fosse na SEMINF no período da tarde para tratar o assunto. Naquele mesmo dia a tarde o Dr. Oswaldo disse que seria possível sim, aquela mesmo tipo de iluminação que havia do conjunto Tiradentes, no conjunto Santos Dumont e encaminhou o presidente para o Coordenador Geral de Iluminação Pública, Sr. Miguel, que recebeu o Sr. Denis naquele mesmo dia e informou que encaminharia o pedido para ManausLuz e que no máximo em um mês já estariam instalando a nova iluminação na praça.

Playgrounds

No ano de 2012 os brinquedos do playground da praça já estavam deteriorados pelo tempo, como boa parte era de metal, o ferrugem tratou de deteriorar. Mais uma vez começou uma peregrinação do presidente Denis pela prefeitura, na tentativa de conseguir um playground novo, mas um secretário jogava a responsabilidade para o outro, então o Sr. Denis resolveu fazer uma campanha dentre os moradores para arrecadar dinheiro para comprar um playground novo para praça, a campanha foi um sucesso e o conjunto passou a contar com um playground que atendeu centenas de crianças diariamente.

Saída do conjunto para Av. Torquato Tapajós

A saída do conjunto para Av. Torquato Tapajós acontecia cortando a praça, o que causava muitos transtornos, os acidentes eram frequentes e também não havia uma faixa de aceleração, o que deixava o trânsito na Av. Torquato Tapajós mais lento, visto que todo veículo que saia do conjunto, tomava uma faixa da avenida de forma lenta. Porém em 2018, Denis Thaumaturgo procurou o vice-prefeito Marcos Rotta e apresentou um projeto em 3D sugerindo uma nova saída do conjunto, diretamente pela Alameda Santos Dumont, com uma faixa de aceleração, o que facilitou muito o fluxo tanto na Av. Torquato Tapajós como para os veículos que saiam do conjunto.